Arquivo mensal: janeiro 2012

Como comprar batons: MAC

Padrão

Comprar batom é uma coisa relativamente fácil, né? Você olha a cor, testa na mão (ou se a loja for boa e tiver aplicador, na boca mesmo!) , decide se fica bem com o seu tom de pele, e leva! Simples, não? Não! Era assim até a alguns anos atrás, quando a indústria cosmética não era tão avançada quanto é hoje e a gente só tinha um tipo de acabamento de batom.
Só há alguns dias, quando eu tentava fazer meu namorado trazer o batom certo da MAC no Freeshop eu vi o quanto pode ser complicado comprar maquiagem à distância. Por sorte, o pedido chegou certinho, mas na hora de comprar à distãncia, conhecer os diferentes tipos de cobertura pode ajudar.

As da MAC seguem este padrão:

•    AMPLIFIED CRÈME (A): MUITO cremoso, pouco brilho, cor intensa!


•    CREMESHEEN (C): também cremoso, tem um pouco mais de brilho que o Amplified Crème.


•    FROST (F): Tem um brilho cintilante. A MAC diz que é de “médio a total”.


•    GLAZE (G): A cor não é tão intensa e a cobertura é translúcida.


•    LUSTRE (L): Semi-translúcido, com alto poder de hidratação. O efeito é quase de um gloss.


•    MATTE (M): MUITO pigmentado, com cor intensa. Sem brilho nenhum, o acabamento é 100% opaco.


•    SATIN (S): Muita cor, com acabamento suave, acetinado e semi-opaco.


Só lembrando que estes acabamentos só valem para os lipsticks normais, ok? Os pro longwear são um pouco diferentes.

Pra ver o nome dos batons, basta passar o mouse em cima! 😉

Setlist para dias de chuva

Padrão

O setlist de hoje foi ideia do meu amigo Julio Jacob porque, confesso, não consigo nem raciocinar com o tempo assim!De certa forma, é uma maneira de ver o lado bom da chuva e esperar o sol voltar com mais paciência!

1.    Rain Song, Led Zepellin


2.    Kiss the rain, Billie Mayers


3.    Singing in the rain/Umbrela, Glee


4.    Rain, Mika


5.    Rain, Beatles

Chuva, você só no iPod e olha lá!

Looks: calça estampada!

Padrão

Depois de uma fase na moda quase sem estampas (aonde, pelo meu armário o minimalismo nem passou…), elas voltaram com tudo, inclusive nas calças!

A gente andava bem acostumada a só jogar cor na parte de cima e quase não ousar na parte debaixo, mas tudo indica que isso vai mudar. Os blogs de streetstyle, as vitrines e as passarelas já dão sinais de que dá pra investir sem medo em uma calça mais divertida.

Vamos aos exemplos!

Deu pra perceber que o corte da calça nem importa muito, o que importa mesmo é o colorido da estampa! Pra não errar, opte por uma parte de cima lisa, ou uma estampa sem padrões, como a da Julia Petit! 😉

As brasileiras tem Glamour!

Padrão

Para quem curte revistas de moda, eu tenho uma notícia boa e uma ruim.
A boa é que depois da Bazaar, o mercado brasileiro vai ganhar mais uma versão de revista gringa: a Glamour! Pra quem não sabe, a americana Glamour é bem antiga também (sua primeira edição foi publicada em 1939) e está presente em quase 20 países (o Brasil é o 17º a ganhar a sua versão).


A partir de abril, a revista vai estar disponível nas bancas, no Ipad, no site e também em versão pocket.
A redatora-chefe da Vogue,  Monica Salgado, vai assumir a publicação, que promete vir com tudo e trazer todos as novidades de moda, beleza, e celebridades que a gente adora.
A parte triste é que a gente vai perder a Criativa, que surgiu nos moldes da própria Glamour.

Mas e aí? O que vocês acham da novidade?

Perfil: Wallis Simpson

Padrão

Há tempos eu penso escrever aqui no blog mini-perfis de mulheres que eu admiro e que, de certa forma contribuíram para a moda. Os nomes são muitos, mas resolvi começar por uma polêmica: Wallis Simpson.
Se você nunca ouviu falar dela, vale ler este post atentamente e, em fevereiro, comparecer ao cinema mais próximo para ver W.E, filme dirigido por ninguém menos que Madonna.


Voltando ao que interessa, a americana Wallis Simpson foi uma das primeiras fashionistas da história, bem antes da invenção do termo. A bem da verdade, não era lá muito bonita, mas conhecia o jet set britânico e também o americano como ninguém. Divorciada, esperta e espirituosa, sabia muito bem como atrair as atenções. E foi exatamente isso que fez com o então rei da Inglaterra Edward VIII.
Se você achou romântica a história de William e Kate, vai suspirar pela história de Edward e Wallis. Afinal, se casar com uma plebeia é fácil. Difícil é enfrentar a Igreja Anglicana e se casar com uma mulher duas vezes divorciada. Pressionado pelo povo inglês, que clamava por uma rainha, o rei Edward VIII não teve outra solução a não ser abdicar do trono e abrir espaço ao seu irmão George (lembra do filme O Discurso do Rei?).


A vida do ex-rei não foi fácil a partir de então. E nem a de Wallis. Depois dessa, ela nunca foi aceita pela família real, que excluiu o casal do convívio social. Impossibilitada de ser tratada por Alteza Real, teve que se contentar com o título de Duquesa de Windsor.
Edward também era um pouco desastrado em suas atitudes e, durante uma passagem pela Alemanha, foi mostrar simpatia logo por quem não devia: Hitler. Para evitar uma crise diplomática, o primeiro-ministro da Inglaterra Winston Churchill mandou os dois para as Bahamas, de onde partiram para a França.
Se Wallis ficou triste com a mudança, não deixou ninguém perceber. Continuava servindo jantares, dando festas, e sabia receber como ninguém. Sua relação com a moda pode ser resumida em sua célebre frase: “Não sou uma mulher bonita. Não sou nada pra se olhar, então a única coisa que posso fazer é me vestir melhor do que qualquer outra pessoa”.


Mesmo não sendo exatamente um ícone de beleza, Wallis foi a primeira garota propaganda da Dior, e mantinha um guarda-roupa impecável recheado por peças de Chanel, Jacques Fath e Givenchy. Anos depois de sua morte, seu estilo continua influenciando mulheres pelo mundo. É o caso de Madonna e Nancy Shevell, que se casou com Paul McCartney com um vestido inspirado em modelo usado por Simpson.
Da pra ver que no mundo da moda, realeza não é tudo.

Setlist: Circo Voador

Padrão

Há uns dias atrás, a casa de show mais charmosa do Rio completou 30 anos! E para dar os parabéns (atrasado!) pro Circo Voador, hoje tem setlist especial com as bandas que se apresentam por lá, ainda na década de 80!

– Pro dia nascer feliz, Barão Vermelho

– Tempo Perdido, Legião Urbana

– Mais uma de amor, Blitz

– Alagados, Paralamas do Sucesso

– Veraneio Vascaína, Capital Inicial

Afinal, o que seria do rock brasileiro sem o Circo Voador?